Pages

Rádio Caminho da vitória

Seja bem-vindo. Hoje é

terça-feira, 15 de agosto de 2017

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Como buscar a Deus

Bispo Márcio Silva.

Um jovem cristão subiu a montanha que ficava de frente ao mar, onde no topo morava um grande mestre cristão, conhecido por ter uma vida de grande comunhão e proximidade com Deus.

Perguntou o jovem:  – Mestre, o que eu faço para ter uma vida de profunda comunhão com Deus? Qual o segredo?
O sábio mestre, sem responder palavra alguma, se levantou, foi até à porta e sinalizou ao jovem que lhe acompanhasse por um
Desceram a montanha em um silêncio ensurdecedor, pois o jovem estava inquieto para saber a resposta sobre o segredo para se chegar mais perto de Deus.
Chegando à praia o mestre continuou caminhando em direção à água. A água batia nos pés, depois nas canelas, nos joelhos e o mestre continuava a ir cada vez mais para o fundo.
O jovem cristão hesitou, mas o mestre insistiu que ele lhe acompanhasse. A água já estava na altura da cintura quando, de repente, o mestre derruba o jovem e segura sua cabeça debaixo d’água, sem dar-lhe qualquer chance de se levantar.
O jovem se debate, tenta escapar dos braços do mestre, se esperneia, bebe água do mar — mas o mestre o segura com a maior firmeza possível.
Quando o jovem cristão já estava quase morrendo afogado, o mestre lhe solta. O rapaz se levanta com violência, finalmente respira engasgado, cospe água salgada e não consegue esconder a raiva que estava sentindo:
– Você está louco?! Você quer me matar?!
O velho e sábio mestre cristão responde:
– Eis o segredo da comunhão com Deus que você está buscando! Está diante de você!
– Qual é esse segredo?
– O dia em que você buscar a Deus como você buscava o ar para respirar enquanto estava com a cabeça debaixo d’água e quando te soltei, você O encontrará.


Compartilhe isto com os seus amigos

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão

Bispo Márcio Silva.
“Não tomarás o nome do SENHOR, teu Deus, em vão, porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão” (Êxodo 20:7).

Na Bíblia, o nome está intimamente ligado à pessoa, indicando o seu próprio caráter, ou ainda denotando a posição e função de quem traz o nome (Êx 23.21).
O terceiro mandamento nos diz que quando lembramos do nome de Deus, devemos preparar-nos para render-lhe culto porque as verdades que sabemos sobre alguém são despertadas quando pronunciamos o seu nome.

O VALOR DO TERCEIRO MANDAMENTO
No Antigo Testamento, o castigo para o mau uso do nome de Deus era o apedrejamento (Lv 24.16). Percebemos que essa proibição estava ligada ao juramento falso, que era usar o nome de Deus para atestar uma declaração mentirosa (Lv 19.12).
Podemos invocar o nome de Deus nas angústias. Também podemos invocar Seu nome clamando por socorro e salvação (Sl 50.15).
Mt 6.9: ‘Santificado seja o teu nome…”. Deus já é santo, então significa que somos santificados quando deixamos o Nome de Deus infundir em nossa natureza aquilo que Ele traz (santidade, cura, autoridade, provisão etc) – Rm 10.10-13.

FORMAS “SUTIS” DE TOMAR O NOME DO SENHOR EM VÃO:
Na Bíblia “vão” significa “vazio”, “sem conteúdo”, “sem valor”, “não produtivo”. Pronunciar o nome de Deus em vão demonstra um desprezo para com o Deus Todo-Poderoso, que é um Deus de plano e propósito.
1. Com irreverência – Ef 5.3,4: “…palavras vãs ou chocarrices…”. São todas aquelas formas de falar, aquelas frases irreverentes que usamos que incluem o nome santo de Deus. Como é comum e inconseqüente soltarmos um “meu Deus do céu”, “pelo amor de Deus”. Se queremos realmente dizer aquilo, então não tem problema. Mas se for apenas uma “força de expressão” ou comentário descuidado, aí é outra coisa.
2. Com hipocrisia (Is 48.1) –  São pessoas que se chamam pelo nome de Deus, mas não vivem sinceramente na presença de Deus. Professar e cantar publicamente, mas em casa não viver a verdade que confessa.
3. Como uma falsa imagem – Usamos em vão o nome de Deus quando usamos Deus como espantalho na educação dos filhos, quando, por exemplo, ameaçamos dizendo: “Deus está te vendo! Deus vai te castigar!”.
•    Com esses abusos do nome de Deus, muitas pessoas foram feridas na sua infância.  A imagem curadora de Deus se transforma numa imagem ameaçadora, vingativa e muito exigente.
4. Como forma de manipular – Quando se usa o nome de Deus para manipular as massas:
a. Política (“guerras santas”)
b. Religião (manipulação; intimidação)
c. Intolerâncias
d. Na igreja: o famoso “Deus me falou”!
5. Como um chavão – Quando alguém usa o nome de Deus ou de Jesus Cristo como obscenidades – ou como expressões convenientes de raiva, frustração ou medo –, essa pessoa ainda não teve nenhum vislumbre real da majestade, santidade e maravilha de Deus.
Jamais devemos usar o nome de Deus de maneira frívola ou mecanicamente.

O OUTRO LADO DA MOEDA

A Bíblia não nos proíbe pronunciar o (s) nome (s) de Deus. Ela nos encoraja a invocá-lo de coração e com temor:
João 14:13: “E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho”.
O nome de Jesus não deve ser pronunciado como uma palavra mágica, e nem somente como uma forma de terminar uma oração com estilo. Com esse nome, fazemos ao Pai uma petição e assinamos com o Nome daquele que tem autoridade nos céus e Terra, sabendo que o Pai não negará nada ao Seu Filho primogênito.
Colossenses 3:17: “E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai”.
Aqui somos colocados frente à responsabilidade que esse nome traz àqueles que o carregam. Quando você diz: “sou um cristão”, você está dizendo que é como Cristo.

Compartilhe isto com os seus amigos

terça-feira, 27 de junho de 2017

segunda-feira, 5 de junho de 2017

A volta de Jesus é um mistério

Bispo Márcio Silva.

Em Mateus 24.36, o próprio Jesus afirma: 
“Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai”.
Se soubéssemos, viveríamos uma vida desregrada, de qualquer maneira, fazendo tudo o que desagrada a Deus e um pouquinho antes de Sua volta, dobraríamos os nossos joelhos e pediríamos perdão, não por arrependimento, mas para poder ser salvo, o que não adiantaria de nada. Por este motivo, ninguém sabe a hora da Sua volta e assim devemos viver com o desejo de fazer o que agrada a Deus. Você tem vivido assim?
Nem todos vão se encontrar com Deus. Tem muita gente que pensa porque Deus é “bonzinho”, vai perdoar todo mundo e que todos vão passar a eternidade ao lado d’Ele. Que engano das trevas. Deus realmente é amor, mas também é justiça. Ele não pode igualar os que entregaram suas vidas a Ele conscientemente e que mortificaram sua carne procurando viver sem pecado, com àqueles que viveram como queriam, sem se importar com o amanhã. Por isso, mesmo vivendo e trabalhando lado a lado, Deus olhará individualmente para cada um, não vai importar ligações familiares, carteirinha de igreja, religião, penitência, etc. Deus irá olhar para o coração. E muitos corações não estarão prontos. Quem quer seguir a Jesus, deve romper com o passado.
VOCÊ? ESTÁ SE PREPARANDO PARA SE ENCONTRAR COM DEUS OU NÃO?
Esta é uma pergunta que só você pode responder. Como falamos, é uma questão de escolha, você é quem tem que decidir se tornar um (a) filho (a) de Deus. Ninguém pode tomar esta decisão por você. Porém o próprio Jesus disse: ...”Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida, ninguém vem ao Pai, se não for por Mim” João 14.6.
Por qual caminho você tem seguido para se encontrar com Deus? Tome agora a decisão de seguir verdadeiramente ao único que pode te conduzir até Ele! Se você já tem Jesus como Senhor e Salvador, também é hora de avaliação: como eu tenho seguido a Jesus? Como Ele quer ou do meu jeito? Nosso jeito normalmente nos distancia de Deus em vez de nos aproximar d’Ele. É tempo de decisão e ajustes. Ore agora e coloque a sua vida diante de Deus, arrependa-se e passe a ter certeza da salvação.

Compartilhe isto com os seus amigos

terça-feira, 23 de maio de 2017

A primeira viagem missionária de Paulo

Bispo Márcio Silva.

(Leia Atos 13.1-14.28).
Eu acho incrível este início porque não é de qualquer jeito que iremos fazer a obra do Senhor. Eles estavam debaixo de cobertura espiritual e saíram abençoados e prontos para cumprirem tudo que o Senhor desejava. Em sua missão quando anunciavam o evangelho ao pro cônsul Sérgio Paulo, homem inteligente, havia uma oposição que procurava distrair e tirar a atenção. Também nós em nossas missões devemos estar atentos a estes desvios e, com sabedoria e poder de Deus, repreender todo levante contrário. Elimaz, o mágico, aquele que se lhes opunha, ficou cego e isto maravilhou ao pro cônsul que creu e assim foi alcançado pelo Senhor.
Eles estavam orando e jejuando, conforme o Espírito Santo os conduzia a isso e o Espírito Santo disse para eles que fossem separados Barnabé e Saulo, pois Deus tinha uma obra especial para eles. Reconhecendo que o Espírito Santo separou Barnabé e Paulo, a imposição de mãos foi uma certificação oficial do chamado do Espírito e à missão que estavam para realizar.
Enviados pelo Espírito de Deus, desceram a Selêucia e dali, navegaram para Chipre.
Viajaram por toda a ilha e chegaram a Pafos. Ali havia um certo judeu, mágico. Além de "mágico", o termo grego magos também pode significar "feiticeiro". Embora a feitiçaria fosse proibida no judaísmo, algumas pessoas a praticavam mesmo assim.
O nome do judeu era Barjesus. Um falso profeta cujo nome vem de Bar (no aramaico, significa "filho de") Ele era mago e falso profeta. Também ele era assessor do pro cônsul Sérgio Paulo.
O procôncul era um homem culto e tinha mandado chamar a Barnabé e Saulo porque queria conhecer melhor o caminho e a fé. No entanto, Elimas, outro nome para Barjesus, que estava presente na corte do pro cônsul, tentava impedir Sérgio de crer na mensagem cristã.
Foi nesse momento que Saulo, também chamado Paulo, cheio do Espírito Santo olhou firmemente para Elimas e o repreendeu.
A repreensão de Paulo foi forte. Ele o chamou de filho do diabo e inimigo de tudo o que era justo, estando cheio de todo engano e maldade. Ele fez uma pergunta retórica a ele dizendo até quando iria ele continuar pervertendo os retos caminhos de Deus e sobre ele emitiu um juízo que se cumpriu de imediato. A mão do Senhor foi sobre ele e ele ficou cego por um tempo.
Diante disso, o pro cônsul profundamente impactado com o ensino do Senhor creu na palavra de Deus.

Compartilhe isto com os seus amigos